Ok
Notícias

Quer ganhar 1 curso de teologia grátis?
Então me chame no Whatsapp

Líderes evangélicos pedem bom senso ao STF sobre homofobia

O deputado federal Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), integrante da Frente Parlamentar Evangélica e membro da Assembleia de Deus, disse que, com a maioria alcançada durante o julgamento da criminalização da homofobia, “fica mais claro que o STF (Supremo Tribunal Federal) realmente quer usurpar competência do Legislativo”.

A frente defende que o STF deve esperar o trâmite de projetos de lei no Senado para decidir sobre o tema. Um deles foi aprovado na quarta-feira,22, pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Casa e encaminhado à Câmara dos Deputados.

Sóstenes disse que o STF tem que compreender que “matéria legislativa é sempre com o Legislativo”.

“Entendo que eles [ministros] são obrigados a fazer esse julgamento, mas nós temos a convicção de que o STF terá o bom senso de retirar a matéria de pauta na próxima reunião, caso a gente consiga aprovar, em caráter de urgência, uma legislação que possa ser dialogada com todos da sociedade.”

O deputado disse acreditar que, apesar da maioria alcançada como favorável à criminalização, a questão ainda não está resolvida.

“O sexto voto [dado ontem] não quer dizer que está resolvido. Ministros que já votaram podem alterar o seu voto. O que eu entendo é que o Parlamento tem uma contribuição a dar e está fazendo esse debate”, afirmou.

Mais cedo, o parlamentar se reuniu com o presidente da Aliança Nacional LGBTI, Toni Reis, para a elaboração de um projeto de lei sobre o tema. Sóstenes disse que os dois grupos estão muito próximos de um acordo e que houve acerto sobre as terminologias da comunidade e para majorações das penas, nos casos de homicídio e lesão corporal

Reis disse não ter formado nenhum acordo e ter havido simplesmente um “início de conversa”. Uma nova reunião foi marcada para a próxima terça-feira (28).

O deputado Marco Feliciano (Pode-SP) afirmou ao UOL que “não é verdade que há omissão do Parlamento” em relação ao assunto da homofobia e que atualmente existem 22 projetos nesse sentido na Câmara.

“A razão da demora é por ser um assunto polêmico e que não há convergência nem entre os LGBTS”, disse o congressista, que relatou ter se reunido ontem com o presidente do STF, ministro Dias Toffoli.

“Foi a segunda reunião que a bancada evangélica realizou com ele [Toffoli] sobre este assunto. Há um acordo de procedimento entre as Câmaras, alta e baixa, e o Executivo para que, se apresentarmos um texto, votaremos urgência no plenário e, em seguida, não existindo ‘alterações absurdas’, tem o aval do Executivo para sanção.”

 

Está gostando desse conteúdo?

Cadastre seu email no campo abaixo para ser o primeiro a receber novas atualizações do site.

Fique atualizado! Cadastre para receber livros, CDs e revistas promocionais.

Feliciano foi escolhido entre os colegas da bancada evangélica para elaborar uma proposta alternativa sobre a criminalização da homofobia no Brasil. A medida prevê que o ato homofóbico seja enquadrado como crime de racismo –ressalvando a liberdade de consciência e religiosa.

As igrejas também poderiam seguir falando sobre o assunto em tom crítico.

Para Feliciano, Toffoli interrompeu o julgamento –que será retomado no dia 5 de junho– porque estaria aguardando a aprovação de projeto do Legislativo sobre o tema.

Nos bastidores, no entanto, as negociações não têm sido fáceis, segundo relato do parlamentar. Um dos entraves, na versão dele, é porque “homossexuais negros não aceitam que seja tipificado como crime de racismo, pois eles dizem que isso prejudica as suas causas”.

“Nós nos colocamos à disposição deles [grupos defensores dos direitos da população LGBT] e dissemos que temos mais 15 dias para dialogarmos e criarmos um texto.”

Julgamento em junho

O Plenário do Supremo Tribunal Federal deu continuidade, na tarde desta quinta-feira (23), ao julgamento dos processos em que se discute se há omissão inconstitucional do Congresso Nacional por não editar lei que criminalize atos de homofobia e de transfobia.

O tema está em discussão na Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) 26, de relatoria do ministro Celso de Mello, e no Mandado de Injunção (MI) 4733, relatado pelo ministro Edson Fachin.

A ministra Rosa Weber e o ministro Luiz Fux, que votaram na sessão de ontem, se pronunciaram no sentido de reconhecer a omissão legislativa e de dar interpretação conforme a Constituição Federal para enquadrar atos de homofobia e de transfobia nos tipos penais previstos na legislação que define os crimes de racismo, até que o Congresso Nacional aprove lei específica sobre a matéria.

Até o momento, foram proferidos seis votos. Todos os ministros que votaram entenderam haver omissão legislativa ao não proteger penalmente o grupo LGBT.

O julgamento será retomado na sessão do dia 5 de junho.

Fonte: https://folhagospel.com/lideres-evangelicos-pedem-bom-senso-ao-stf-sobre-homofobia/


Qual sua opinião sobre esta noticia?
Deixe seu Comentário abaixo:
(*)Campos obrigatórios, e-mail e telefone não serão publicados)
Notícias de Líderes
Pastor Samuel Mariano
Pastor Marco Feliciano
Bispa Lucia Rodovalho
Pastor José Wellington Bezerra da Costa
Pastor Reuel Pereira Feitosa
Pastor Aluizio Silva
Pastor Benny Hinn
Missionário RR Soares
Apóstolo Estevam Hernandes
Missionário David Miranda
Pastor Adeildo Costa
Pastor Abílio Santana
Bispo Rodovalho
Pastor Reuel Bernardino
Apóstolo Renê Terra Nova
Pastor Billy Graham
Bispa Sonia Hernandes
Pastora Sarah Sheeva
Bispa Ingrid Duque
Pastor Lucinho
Pastora Helena Tannure
Pastor Julio Ribeiro
Pastor Oseias Gomes
Pastor Samuel Camara
Pastor Samuel Ferreira
Pastora Bianca Toledo
Pastora Joyce Meyer
Pastor Josué Gonçalves
Pastor Adão Santos
Pastor Geziel Gomes
Pastor Márcio Valadão
Pastor Jorge Linhares
Apóstolo Agenor Duque
Pastor Cesino Bernardino
Apóstolo Valdemiro Santiago
Pastor Hidekazu Takayama
Pastor Gilmar Santos
Pastor Claudio Duarte
Apóstolo César Augusto
Pastor Silas Malafaia
Pastor Carvalho Junior
Pastor Paulo Marcelo
Bispa Cléo Ribeiro Rossafa
Pastor Gilvan Rodrigues
Pastor Yossef Akiva
Pastor Elson de Assis

O Seminário Gospel oferece cursos livres de confissão religiosa cristã que são totalmente à distância, você estuda em casa, são livres de heresias e doutrinas antibiblicas, sem vinculo com o MEC, são monitorados por Igrejas, Pastores e Teólogos de Grandes Ministérios totalmente baseado na Santa Palavra de Deus, ao final você recebe DOCUMENTAÇÃO INTERNACIONAL valida no âmbito religioso.

Notícias de Cantores
Banda Oficina G3
Cantora Cassiane
Cantora Shirley Carvalhaes
Cantor André Valadão
Cantora Eyshila
Ministério Renascer Praise
Cantora Alda Célia
Cantor Fernandinho
Cantora Cristina Mel
Cantor Marquinhos Gomes
Cantora Lauriete
Ministério Diante do Trono
Cantora Aline Barros
Cantora Mara Lima
Cantor Davi Sacer
Cantora Rose Nascimento
Cantor Irmão Lázaro
Cantora Nivea Soares
Cantora Fernanda Brum
Cantora Karen Martins
Cantora Ana Paula Valadão
Voz da Verdade
Cantor Mattos Nascimento
Cantora Elaine de Jesus
Cantora Bruna Karla
Cantora Lea Mendonça
Cantor Regis Danese
Cantora Damares
Cantora Andrea Fontes
Cantor Kleber Lucas
Cantora Ludmila Ferber